O Planeta X e Outras Histórias - Parte 4

O Planeta X e Outras Histórias - Parte 4

AS EXTINÇÕES SÃO EVENTOS REGULARES?

Investigadores diversos esboçaram a possível existência de ciclos regulares de extinções. Em 1977, Fisher e Arthur sugeriram que as extinções biológicas volumosas aconteceriam cada 32 milhões de anos, enquanto estando baseado em espécies marinhas. David Raup e John Sepkoski fortaleceram na hipótese de 1983 Fisher - Arthur por meio de boa análise estatística de um grande volume de dados. Eles observaram isso em 567 famílias de organismos marinhos durante os últimos 250 milhões de anos, cada 26 milhões de anos aproximadamente extingue 2% das famílias pelo menos. Uma análise dos dados feita por W. T. Fox em 1987 apoiou a idéia, enquanto calculando que é estatisticamente significante a relação entre as extinções volumosas e os períodos de 16 milhões de anos. Estando baseado na compilação de crateras, Rampino e Stothers identificaram ciclos de impactos de meteoritos grandes cada 31 milhões de anos, para o que eles consideraram como "extinção volumosa" a esses que superam 10%. Se o cataclismo fosse produzido pelo impacto de vários objetos extraterrestres grandes, e se as extinções volumosas acontecerem em forma periódica, então a causa de tais impactos de múltiplo simultâneos deveria ser procurada. Ao redor do Sistema solar existe um campo largo de cometas que gira ao redor do Sol. De lá chuvas volumosas de cometas poderiam ser desencadeados pela influência de algum agente cósmico de influência periódica. Eles pensaram aproximadamente neste respeito três hipótese:

A) Cruzamento do Plano Galáctico: No movimento deles ao redor do centro de nossa galáxia, a Via Láctea, o Sistema solar se orienta com oscilações a um e outro lateral do plano galáctico, com um ritmo de 67 milhões de anos, de forma que cruza este plano a cada 33 milhões de anos. As extinções poderiam coincidir com o cruzamento do plano galáctico. A densidade de matéria no plano galáctico é muito alta; ao passar pelo plano galáctico poderia induzir impactos de meteoritos grandes ou desestabilizar aos cometas da nuvem de Oort, esses que adquiririam uma órbita muito elíptica que penetra para o interior do Sistema solar.

b) Nemesis, a "estrela assassina": O Sistema solar poderia ser duplo, o Sol teria uma estrela companheira não descoberta que foi chamada"Nemesis" que poderia ser uma estrela do tipo dos anões pretos (de menos que um décimo da massa solar e muito baixo brilho), uma estrela anã marrom ou um buraco negro. Nemesis teria uma órbita muito excêntrica, com sua posição mais distante em relação ao Sol perto da nuvem de Oort, ou uma órbita moderadamente excêntrica e de que passaria para a distância mínima ao sol isto aconteceriam por esta nuvem.

c) O planeta "X": de acordo com outra idéia, um décimo planeta existiria no Sistema solar, ainda não descoberto para qual foi chamado "planeta X" cuja massa seria da quinta parte da massa terrestre que que explicaria que ainda não foi observado. O planeta X giraria ao redor do Sol dentro de uma muito inclinado e constantemente variável órbita para influências gravitacional de outros planetas que explicaria que intercepta à nuvem de Oort em intervalos muito prolongados.

Muitos paleontólogos criticaram estas hipóteses dizendo que tal ritmo das extinções não existe. Os cálculos feitos parecem só ser aplicados aos últimos 250 milhões de anos. De acordo com Van Valem, o ritmo suposto desaparece se em vez de ser considerado porcentagens isto é considerado as probabilidades de extinção, enquanto estando baseado nos aparecimentos, desaparecimentos e duração dos grupos. Se o demonstra que as extinções volumosas são eventos que acontecem ciclicamente em forma regular, causas terrestres não puderam ser descartados, como a hipótese de Margalef por exemplo.

UM POSSÍVEL CONSENSO

Há grande quantidade de paleontólogos que apóiam o modelo gradual, porque eles acreditam na diminuição gradual de restos fóssil a uma diminuição constante em quantidade e variedade de dinossauros e outros grupos para fins do Cretáceo, o que poderia estar devido ao salto de mudanças climáticas e ambientais para a grande regressão marinha de fins do Cretáceo, mas devido à solidez das evidências mostrada pelo catastrophists eles estão dispostos para aceitar isso se a eles foi somado isto, acidentalmente, algumas condições catastróficas que apressaram o fim inevitável de pelo menos uma parte desses grupos.

É possível que três causas influenciem em algum grau na crise de fins do Mesozoico em que levou ao desaparecimento final dos dinossauros: a regressão marinha teria feito desaparecer gradualmente os dinossauros e teria determinado a extinção de belemnites e ictiosaurios, mais tarde o impacto de vários asteróides e as erupções vulcânicas grandes do Decán que marcou a sorte dos dinossauros que ainda existiriam definitivamente aconteceu. Se fosse demonstrado que os dinossauros extinguiram em forma abrupta, elas seriam duas possíveis explicações: o impacto de um meteorito e o intenso vulcanismo de fins do Cretáceo. Em ambos os casos, a injeção para a atmosfera de quantidades extraordinárias de pó, aerossóis e gases, continuou através de chuvas azedas, teria causado uma cascata de acidentes climáticos aos que a maioria das espécies não pôde resistir. A obscuridade da atmosfera que inibiu a fotossíntese aconteceu primeiro e fizeram diminuir a temperatura depressa; logo, o vapor de água e o anidrido carbônico causou um aquecimento forte. Então os oceanos teriam sido acidificados.

O melhor apoio na hipótese do meteorito é a cratera Chicxulub, de 280 km. de diâmetro que foi formado no limite C/T na península de Iucatã. A melhor evidência a favor do vulcanismo é a existência de quase 1.300 km quadrados de lava no planalto Decán, depositou ao concluir o Cretáceo. As concentrações de arsênico altas e de antimônio associado à anomalia do irídio eles sugestionam uma origem vulcânica, mas debaixo dos cursos grandes de lava eles eram grãos de quartzo amalgamados por pressões grandes, o que indica que eles foram formados com o impacto. Eles podem ser somados a presença de stishovita no barro do limite C/T em Novo México e a presença de picadas em defesa do impacto com espinhos niquelíferas que é interpretado como vestígios do próprio meteorito.

É possível que sejam unidos ambos os eventos: os impactos de meteoritos grandes que teria penetrado de 20 a 40 km. na terra, eles poderiam ter perturbado de tal modo a frágil crosta terrestre que desencadeou erupções vulcânicas. Ao deixar descoberto o magma, formado pelas pedras fundidas do interior da Terra, eles teriam feito surgir para a superfície em forma de lava, então é possível que as erupções da Índia aconteçam como conseqüência da queda do meteoro. D. Alt e colaboradores propuseram em 1988 que a lava basáltica do Decán pudesse ser formada como os mares da Lua: o impacto de um meteorito forma uma cratera funda que está cheio de lava fervente. Para o sul das ilhas Seicheles e para aproximadamente 480 km. para o nordeste de Madagáscar, na bacia do Almirante que fica situada que parece ser uma cratera de 320 km. de largo. O impacto de um meteorito enorme naquela área poderia ter ativado os cursos grandes de lava que eles formaram o planalto Decán e as Ilhas Seicheles. Talvez tenham caídos dois meteoritos grandes simultaneamente, um no Iucatã e outra na bacia do Almirante, e alguns acreditam que este último causou as erupções de Dacán que acrescentou os efeitos deles a esses dos meteoritos. Considerando as características dos espinhos niquelicos eles acharam em partes diferentes do mundo em lodos do limite C/T, a queda de vários corpos do espaço, como o que aconteceu ao cometa Shoemaker -Levy que fragmentou em mais de vinte pedaços que caiu em Júpiter, pensa.

Tradução:prof. Berti - http://br.share.geocities.com/professorberti/

TRANSIÇÃO PLANETÁRIA

Transição planetária é o nome dado ao processo de transformações, pela qual o planeta Terra e todos os seres nele viventes estão iniciando e continuarão a passar pelos próximos anos. Nessa transição, ocorrerá uma transformação dimensional, ou seja, a passagem do planeta da terceira para a quarta dimensão, um estado no qual nossos corpos se tornam mais energia do que matéria.

Isso se deve ao fato de que mais uma vez a Terra iniciou sua passagem pelo Cinturão de Fótons e gradativamente estamos avançando para uma interação mais intensa com essa nuvem de poeira cósmica. Cinturão de Fótons é o nome dado a um gigantesco anel de radiação que fica à volta do grande Sol Central de nome Alcione, localizado na constelação das Plêiades, em torno do qual orbitam nosso sistema solar e todos os planetas que o acompanham. Essa procissão do nosso sistema solar em sentido anti-horário ao redor de Alcione, é um fenômeno cíclico. Para cada órbita completa em torno de Alcione, nosso sol, a lua e os planetas atuais mergulham por duas vezes nesse anel de micro partículas de radiação, uma vez para o norte e uma vez para o sul. Cada passagem destas pelo Cinturão de Fótons se dá a cada período de tempo de aproximadamente 12.400 anos. A transição planetária é um período oportuno e auspicioso para evolução, física, mental e espiritual, de todos aqueles que estiverem devidamente preparados para esta passagem, mas poderá ser extremamente negativo e destrutivo para os que não se sintonizarem a uma consciência mais ampla. A humanidade está aprendendo uma lição importante nesta época, que é perceber a sua divindade, a sua ligação com o Criador Primordial e com tudo o que existe. A lição é perceber que todas as coisas estão interligadas e que todos fazem parte de tudo isso. O resultado desta transição planetária, será a vivência de um período completamente novo para a humanidade, onde reinará mais harmonia e amor entre os homens.

Será a entrada da humanidade na Idade da Luz, o despertar da Consciência Crística. Durante toda essa fase, não estaremos sós; existem em todo o universo inúmeras raças, culturas e sociedades de seres com consciência mais ampla, cuja principal missão é dar orientação, apoio e até mesmo proteção a todos os planetas em fase de transição da terceira para a quarta dimensão. O auxilio desses seres de luz, tem acontecido desde os primórdios da humanidade, através daqueles adequadamente preparados.

Porém, com a entrada do planeta no cinturão de fótons, este apoio dos seres já está mais amplo e se intensificará, de acordo com as necessidades. Nossa missão nessa passagem é estarmos preparados, atentos e receptivos a essas emanações de amor e energias superiores provindas destas entidades de luz, e nos tornarmos conscientes de que somos canais de cooperação e suporte a estes seres, para que essa transição se torne mais suave e positiva para todos, reinserindo luz neste planeta e restituindo à Terra a seu propósito original - tornar-se um magnífico centro de troca de informação intergaláctico.

O PORTAL CÓSMICO

Por Steven Hanauer

Os maias acreditavam que a humanidade seria conduzida a uma dimensão mais alta no período de tempo que atravessamos. Eles denominavam o fim do ciclo de seu calendário, como o Fim dos Tempos. O fim do Calendário Maia tem sido previsto para o período entre dezembro de 2011, 2012 ou 2013, mas quando estas datas são correlacionadas ao nosso Calendário Gregoriano, o fim poderá ser em torno do ano 2000. Há também correlação com o alinhamento da Terra ao Centro da Galáxia, o que seria o ponto final do Calendário Maia, muito conhecido por ser baseado nos ciclos galácticos.

A convergência deste fatores com a possibilidade de mudança dimensional poderá ocorrer entre julho de 1999 e 5 de maio do ano 2000. Isto porque o núcleo da Via Láctea está agora entrando numa fase cíclica explosiva. Poderosas descargas explosivas ocorrem a cada 10 mil anos ou mais. A última ocorreu em 9.500 AC. Astrofísicos têm observado eventos cíclicos cósmicos no momento. De acordo com La Viollete, assim como muitos outros, "duas super ondas de energia podem estar vindo rapidamente em nossa direção, proveniente do núcleo da Via Láctea". O satélite Ulisses detectou recentemente nuvens de poeira interestrelar entrando em nosso sistema solar, vindo do centro da galáxia.

Como as tempestades solares têm aumentado e devem atingir o seu pico no ano 2000, podemos esperar o aumento de mudanças severas no clima, terremotos e vulcões em nosso planeta. Há ligação direta entre as tempestades solares e o clima na Terra. Podemos aguardar realmente o seu aumento do ano 2000 em diante.
Os astrônomos nos dizem que além de 5 de maio de 2000 muitos dos planetas de nosso sistema solar estarão em perfeito e impressionante alinhamento, o que só ocorre, segundo as estimativas, a cada meio milhão de anos. A combinação do efeito gravitacional e o campo magnético destes planetas causará pressão sobre cada um deles e, desta forma, um significativo aumento das atividades sísmicas e vulcânicas na Terra. Isso também será estimulado pelas tempestades solares. O sismologista Vadim Anfilloff confirma que os movimentos sísmicos de contração estão relacionados ao aumento da pressão interna do núcleo da Terra. Os cientistas predizem que o próximo ciclo solar será o maior já registrado em toda a história. Mesmo levando-se em conta que o ciclo do Sol não se dará até o ano 2000, já se produziu uma ejeção de enormes coroas de massas solares, jamais registradas. O cientistas estão na expectativa que ocorra a Tempestade Solar do Milênio, possivelmente em torno do ano 2000, o que deve interferir nas bússolas, nos sistemas de rádio, televisão, telefonia, computadores e satélites de comunicação. Linhas de transmissão de energia e sistema de radares também serão afetados.

O pesquisador Stan Deyo relata que em 1991 uma camada exterior da coroa solar desapareceu e o Sol começou a sofrer uma diferente variação em seu espectro de emissões. Devido a estas dramáticas e inesperadas mudanças, os governos do mundo lançaram recentemente um grande número de sondas solares, como parte do Programa de Exploração Solar-Terrestre (ISTP). O livro "Terra sob Fogo", de La Viollet, registra a ocorrência de antigos eventos numa evidência geológica, a partir do estudo do núcleo das placas de gelo provenientes da Groelândia e da Islândia. Segundo o autor, o que os cientistas encontraram foi a evidência física da mudança da crosta terrestre, do aumento da temperatura e da concentração de poeira radioativa cósmica em nosso planeta; e da possível mudança dos pólos da Terra ocorridos há 9 500 anos AC. Viollet acredita que explosões no núcleo da galáxia afetaram nosso Sol, induzindo o aumento das tempestades solares que afetaram a Terra. Há a possibilidade deste eventos ocorrem novamente.

O pesquisador Nick Fiorenzas assinala que a Terra e o Sol estarão alinhados com o núcleo da Via Láctea possivelmente entre 1999 e 2000. A linha do equador da Terra, elíptica, se alinhará com a elipse do Sol, ao mesmo tempo que ambas estão alinhadas com o núcleo da galáxia. Este alinhamento ocorreu somente quatro vezes durante o ciclo do equinócio. A última configuração similar a esta foi em 9500 AC. Ele acredita que haverá grandes mudanças na Terra, como à época do desaparecimento da Atlântida e do Grande Dilúvio Universal, mas dessa vez, com a possibilidade de mudança dimensional.

Cientistas têm detectado uma massa de energia no núcleo de nossa galáxia. Eles teorizam que esta massa é um portal interdimensional, por onde energias de altas dimensões estarão atravessando e se espalhando por toda Via Láctea. Eles também postulam que todas as galáxias possuem a mesma massa de energia. Em 1992, uma nova freqüência de energia foi detectada, proveniente do núcleo de todas as galáxias conhecidas.

No seu livro "Acordando no Ponto Zero", Gregg Braden descreve muitas das mudanças ocorridas na Terra e como elas nos afetaram em nosso dia-a-dia. O campo magnético da Terra está diminuindo devido a desaceleração da rotação de nosso planeta. Assim, estamos experimentando a intensificação das nossas emoções e o aumento de nossa dificuldade em lembrarmos de fatos, porque nosso corpo emocional e nossa memória estão associados ao campo magnético da Terra. Braden também reafirma a teoria da "Ressonância de Freqüência de Schulman", e que ela está aumentando e, por isso, temos a impressão de que o tempo está passando mais rápido. Isso também tende a nos trazer profundas questões emocionais, criando freqüentemente conflitos em nossas relações interpessoais.

COMETAS REVELAM O 10º PLANETA

Artigo publicado no jornal "O Globo", de 29/08/90: Astrônomos de todo o mundo já dispõem de provas indiretas de um ou dois corpos invisíveis de grande massa situados além de Plutão, o planeta mais afastado do sistema solar...

...Os planetas ainda não descobertos agem como um corpo perturbador à órbita elíptica dos cometas...
...Baseado nesta discrepância, ele (professor Vladimir Radziyevski, da URSS) calculou a massa do corpo perturbador e verificou que deveria ser enorme, milhares de vezes superior à terrestre. Como uma massa dessa magnitude não pode pertencer a um planeta com órbita circular, questiona-se a possibilidade de este corpo ser um anão negro (estrela fria) ou até mesmo um buraco negro.

A DEPURAÇÃO DA TERRA

Artigo extraído da Revista A Revelação

A ciência oficial tem se precavido em não falar nada deste inquietante tema: que das profundidades do Universo se aproxima um temível planeta (cometa?), que a Bíblia chama de Absinto. Os esoteristas o denominam Hercólubus e sustentam que provocará pavorosos cataclismos em nosso mundo. Um mito a mais de nossos tempos ou uma realidade?

Os milhenaristas afirmam que é um fato e não uma simples especulação, à guisa da indiferença de outros. No entanto, há um descrédito generalizado pela sociedade materialista e sobresaturada de informação. Isto porque mistificadores e algumas seitas têm se apoderado do tema, convertendo-o em um genuíno ato de fé. O mais recente caso é o da seita Heaven´s Gate, cujos membros terminaram imolando-se em um suicídio coletivo ante a presença do cometa Halle-Bopp, que, segundo os fanáticos acólitos do grupo, arrastava uma nave extraterrestre, a qual os levaria ao Paraíso. No entanto, mais além das visões enfermas e delirantes de grupos minoritários, quem tem se dedicado a investigar seriamente o fenômeno acredita que a aproximação de Absinto ou Hercólubus é algo para ser tomado a sério, já que traz um profundo e pavoroso significado, o da purificação espiritual de nosso planeta. Além do que, como é natural, este tema tem despertado numerosas polêmicas e tem sido e é fonte de intensas controvérsias.

EM BUSCA DA VERDADE

Os céticos negam o fato, afirmando que são meras especulações, próprias de mentes infantis, fantasiosas, propensas a crer em contos de fadas, tratando-se de um mito a mais, dos muitos que circulam pelo mundo. Outros céticos, menos fanáticos, dizem que, ainda que o fenômeno seja certo, não há provas científicas para avaliar a veracidade do mesmo. Do outro lado da trincheira, estão os que dizem que o cometa (planeta?) existe e que a ciência oficial guarda um pesado silêncio a respeito para não alarmar as pessoas. Quem diz a verdade? É difícil sabe-lo nesta época, quando o excesso de informação destrói as possibilidades de separar o trigo do joio. O principal problema nesta procura da verdade, está nas múltiplas interpretações que se tem feito sobre o tema. Em todo caso, o interessante é ter suficientes elementos de juízo, para que cada qual reflita sobre as implicâncias que o assunto tem para sua vida.

Ainda que para não crer no jogo do alarmismo, é necessário realçar que tudo o que se tem escrito acerca deste tema são simples especulações de sujeitos que afirmam ter visões sobre estes fatos ou de haver recebido mensagens catastróficas por parte de entidade extraterrestre. Ademais, não há suficientes dados científicos fidedignos que joguem luz sobre a veracidade ou falsidade desta teoria, portanto a mesma não passa de mera especulação. Mas como é habitual aos meios de comunicação, os leitores são os que têm que tirar as suas próprias conclusões.

De acordo com pessoas que têm tido visões premonitórias, durante três dias e três noites haverá escuridão total sobre o nosso planeta. Segundo elas, nesse lapso ocorreriam calamidades de diversas ordens e terremotos apocalípticos. São João disse sobre este ponto: "O quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono da besta, e o seu reino se fez tenebroso; e os homens mordiam de dor as suas línguas.". Por outro lado, Miguel de Nostradamus se referiu a isto com um termo similar e previu a época em que sobreviria esse fenômeno: "Próximo do vigésimo dia do Signo de Touro (10 de maio), a Terra tombará poderosamente... todo o mundo ficará surpreendido pela escuridão reinante..." Mas o ocultista não assinalou em que ano ocorrerá este acontecimento.

Um pouco mais atrás no tempo, o mestre de Nostradamus, Ulrico de Maguncia, com seus dotes de vidente previu o mesmo, adiantando que "milhares e milhares de 'grandes rodas' inundarão o céu até interceptar a luz do dia" (OVNIs?). A lista de personagens que têm profetizado sobre esse pavoroso quadro é bastante extensa e inclui um vidente californiano de nome Criswell, que diz que a grande tragédia terá lugar em 18 de agosto de 1999. 

O QUE CAUSARÁ TAL SITUAÇÃO?

Corria 1962 e vários astrônomos (como é natural, não se sabe os nomes, dado o descrédito e críticas que poderiam sofrer por parte da comunidade científica) ficaram estupefatos com uma descoberta sensacional mas aterradora: um enorme corpo planetário se aproxima da Terra a razão de 110 quilômetros por segundo e procede do sistema solar de Tylo ou Tylar, composto dos planetas denominados: Hesgamo, Tylón, Epsilón, Lylio, Phema e Hercólubus. Este último, um gigantesco planeta - 500 vezes maior que a Terra - em sua órbita afetará poderosa e dramaticamente o nosso globo terrestre. Este planeta, chamado na Antigüidade de Absinto (nome de uma planta de sabor amargo), na Babilônia ficou conhecido como Baal. Já os astrônomos do nosso século o denominaram Barnard I. Não faz muitos anos, a imprensa informava sobre este caso, mas, curiosa e sugestivamente, o assunto passou rapidamente a integrar o panteão dos "fatos condenados" pela ciência oficial. Nada mais se disse sobre este cometa-planeta nem se esclareceu, se na verdade, provocará as catástrofes anunciadas.

Assim, sempre nos movemos no terreno das especulações. Estima-se que Hercólubus deslocará a orientação do eixo da Terra, de forma que, obviamente, causará verdadeiros cataclismos, submergindo consideráveis porções de terra firme nas tumultuosas águas dos oceanos. Milhões de pessoas morrerão no cataclismo planetário. De certo, a ciência ortodoxa cuida-se muito bem em não dizer nada acerca de Hercólubus, resguardando e mantendo este assunto no mais restrito segredo, afim de não provocar o caos e pânico mundiais.

Quais seriam as conseqüências imediatas que o planeta (cometa?) provocaria na Terra à medida que vai se aproximando? De imediato, alterações climáticas e o aumento substancial dos movimentos telúricos. Não deixa de ser interessante algo que dissera o astrônomo Carlos Muñoz Ferrada anos atrás. Em 1988, este conhecido investigador assinalava em uma entrevista a um matutino de Santiago, que no Chile se produziriam anormais alterações climáticas, o que efetivamente se sucede. O verão de 1998 foi um verdadeiro outono, frio e nebuloso, e o outono autentico comportou-se como um se fosse verão, mais frio, seco e calmo, iniciando-se com geadas a um grau abaixo de zero. Também havia prognosticado vários sismos, explicando que todos os acontecimentos por ele anunciados teriam sua origem na "aproximação do sistema solar de um cometa - planeta" descoberto em 1940 - e cuja última aparição foi nos tempos da Atlântida. Finalizava dizendo que este corpo celeste vem a grande velocidade - a 110 quilômetros por segundo - e passará próximo à Terra em 11 de agosto de 1999, a apenas 10 milhões de quilômetros.

Com tudo isso, o famoso fenômeno de "El Niño" tem algo a ver em este trágico panorama ou é uma curiosa coincidência? Por que Hercólubus estaria nas imediações da Terra? Para alguns videntes e astrólogos, o gigantesco cometa-planeta nos visita a cada 12 mil anos, deixando um rastro de destruição e morte em sua passagem. Este descomunal corpo celeste retorna na agonia de nossa raça (que é a quinta), coincidindo sua órbita com o termino do ano sideral, ou a uma volta do sistema solar ao redor do cinturão zodiacal. Para os adeptos da Cosmogonia (conhecimento do Cosmos) esse é um fato real e concreto que acontecerá, gostemos ou não. E que, ante ele, mais vale estarmos preparados internamente, num elevado nível vibratório. Hercólubus ou Barnard I é um mundo de baixo nível de evolução, em cuja atmosfera magnética cairão os seres desencarnados com o estado de desenvolvimento espiritual compatível com o desse planeta. Será uma autêntica depuração da Terra, permanecendo nela os espíritos mais elevados, que serão a semente da Nova Era ou Era Dourada, na qual reinará Cristo, cumprindo-se deste modo o profetizado na Bíblia.

Um outro aspecto deste drama cósmico: Barnard I viria a ser o apogeu contemporâneo da grande Besta, o 666, o Príncipe do Mal, o Ancião Vingativo, que virá com o fim dos tempos e reinará em todas as nações da Terra. Alguns autores sustentam que isto já é uma realidade, porque não se trata de uma pessoa, mas neste caso o demônio. Segundo eles, o atual sistema sócio-econômico e político imperante hoje em dia, tem colocado grande parte da humanidade em uma condição humilhante. Enquanto a maioria da população - que não desfruta da riqueza em todos seus níveis - vive a angustia da dúvida existencial ou sofre a indiferença e o egoísmo ante a dor, só uns poucos se dispõem a ajuda-la. Enfim, um sistema de vida baseado na corrupção e na exaltação do material acima do espiritual, levando até seus limites o frágil ecossistema planetário, por causa da inconsciência do homem.

É inquietante ver o atual estado de coisas e não há que ser profeta para vislumbrar qual é o destino que se depara a humanidade se prosseguir assim. Cabe perguntar, qual é o limite para tudo isto? Os "filhos da obscuridade" (espíritos de baixíssima evolução) atacam os "filhos da luz" (pessoas de maior evolução espiritual), numa sutil luta da vida diária, onde fica em evidência, muitas vezes, a verdadeira estrutura espiritual de cada pessoa, quando se vê submetida às duras provas da vida. E não somente no trabalho pelo sustento diário, como tem que lidar com sujeitos passionais, egoístas, manipuladores, indiferentes ou violentos, que estão fascinados pela ânsia de poder. Um mundo com conduta social que não é própria de uma sociedade pretendidamente civilizada.

Séculos atrás, o profeta bíblico Daniel interpretou um sonho de Nabucodonosor, rei da Babilônia, depois do fracasso dos sábios e astrólogos do reino. Daniel interpretou e também viu em seu próprio sonho, a queda de vários reinos, um atrás do outro. O último deles era constituído por dez reinos regidos por um rei, que será derrubado definitivamente. O tempo demonstrou que as interpretações proféticas de Daniel resultaram ser certeiras na totalidade dos casos. Tal como ele havia descrito, com o transcorrer dos séculos, impérios faustosos caíram como cartas de baralhos. E o notável profeta deixa bem claro que o último reino correspondente ao "Fim dos Tempos", está ligado a nosso século. Em todo caso, após a derrota da grande Besta e o retorno de Cristo, a Terra viverá a Idade de Ouro, ao ingressar no descomunal anel do Sistema Solar de Alcione. Precisamente de lá, provem Hercólubus, que os esoteristas dizem que purificará do mal o nosso planeta.

A CIÊNCIA NEGA

Vinda de Marduk pode ser a catalisadora das grandes mudanças previstas nas profecias. Publicado no boletim "O Inquiridor" nº 05

No ano passado, nosso sistema solar foi visitado por um grande cometa até então desconhecido, o Hale-Boop. Houve grande expectativa em todo o mundo, pois acreditava-se que o espetáculo seria assombroso; realmente, os habitantes do hemisfério norte puderam vê-lo muito bem, mas nada que se aproximasse do quadro pintado por Nostradamus sobre o ''cometa'' que indicaria o início do fim dos tempos. Entretanto, a vinda do cometa provocou diversas outras reações. Houve até quem se matou (40 membros da seita Heaven's Gate), imaginando que ia parar num disco voador que estaria atrás do cometa, como é de conhecimento público e notório. Mas muitas outras pessoas acreditavam que havia algo muito grande vindo junto com o Hale-Boop; boa parte dessa celeuma foi causada por uma carta divulgada pelo programa de rádio de Art Bell, nos EUA, remetida por um suposto ex-agente do Vaticano, que usou o codinome ''Padre'' (ver matéria na página 03), em dezembro de 1996.

Um mês antes, o astrônomo amador norte-americano Chuck Shramek afirmou ter fotografado um estranho objeto no rastro do cometa, o qual ele acreditava ser uma nave extraterrestre. Sua descoberta foi prontamente desmentida pelo próprio descobridor do cometa, Alan Hale (o que não é totalmente confiável, dado o conhecido hábito de acobertamento dos governos). Muitos outros boatos circularam naquela época sobre o cometa e seu suposto acompanhante. Nesse ponto, já estava circulando a informação de que o ''companheiro'' (como muitos passaram a chamá-lo, a exemplo de Virgil Armstrong) era cerca de 4,5 vezes maior que a Terra. Ora, o cometa já passou pelo sistema solar, e se um corpo celeste desse tamanho o tivesse acompanhado, teríamos tido um cataclisma cósmico, devido ao desequilíbrio gravitacional que teria sido provocado.

Na minha opinião, e baseado em outras fontes independentes, o que aconteceu foi que realmente há um corpo celeste, pouco maior que Urano (umas 4 ou 5 vezes maior que a Terra) dirigindo-se ao nosso sistema solar, o qual durante certo tempo esteve numa trajetória semelhante à do Hale-Boop. Creio que trata-se do chamado planeta Marduk, também denominado de Nibiru (pelos babilônios), Planeta X (espíritas), Planeta Chupão (Chico Chavier), Hercólubus (Movimento Gnóstico), Wormwood (Virgil Armstrong) e talvez o Absinto (Apocalipse). Os boatos surgidos e a característica capacidade de degradação de informações da Internet encarregaram-se de incentivar idéias esdrúxulas, como o OVNI de Apple-White e sua seita de suicidas.

Segundo informações que me chegaram, Marduk (como vou denominá-lo) é um planeta com uma órbita extremamente elíptica, com o perigeu distante umas 400 ou 500 unidades astronômicas (1 u.a.: distância da Terra ao Sol) do Sol, e um periélio de umas 4 ou 5 u.a., uma extensão intermediária entre as órbitas dos asteróides e de Júpiter. Para se ter uma idéia da distância que Absinto chega a ficar do Sol, Plutão fica a cerca de 40 u.a. deste. Atualmente esse corpo estaria entre as órbitas de Saturno e Júpiter. Graças a essa translação muito longa, Marduk passaria próximo dos outros planetas entre períodos de cerca de 6 500 anos, em épocas coincidentes com grandes cataclismas e fins de ciclos na Terra. Sua órbita é retrógrada, ou seja, tem sentido horário - ao contrário da maioria dos planetas de nosso sistema - , e fica inclinada em cerca de 30º em relação ao plano das órbitas dos outros orbes, à exceção de Plutão, cujo plano de órbita também é inclinado, mas bem menos.

A comunidade científica internacional, notadamente a astronômica, tem conhecimento da existência desse corpo celeste há muito tempo. Aparentemente, ele foi descoberto logo depois do lançamento do primeiro satélite com visão infravermelha, na década de sessenta; há informações de que Marduk possui uma espécie de camada superior na atmosfera, talvez artificial para conservar a temperatura, que o torna invisível a maior parte do tempo, ficando dentro da faixa de espectro do infravermelho.

Seguindo esse raciocínio e conforme essas fontes, a tendência das últimas décadas de construção de grandes observatórios astronômicos no nosso hemisfério foi provocada pela aproximação desse planeta-monstro (como o chamam alguns kardecistas, para os quais os espíritos falam dele há muito tempo), para observá-lo melhor - ele estaria vindo pelo sul. Aparentemente o próprio telescópio orbital Hubble foi idealizado com a mesma finalidade. Por enquanto não há como obter melhores informações, pois estas são de posse dos principais astrônomos e governos, que manterão tudo em segredo, indo até as últimas - e catastróficas - conseqüências. A vinda de Marduk está prevista por muitas profecias, direta e indiretamente. Há quem diga que sua atração gravitacional deslocará a Terra, tirando-a de sua atual órbita e levando-a para perto do cinturão de asteróides. Isso parece bastante coerente com muitas previsões, inclusive com as do Apocalipse, pois assim ficariam explicadas as quedas de meteoros previstas na Revelação. E é realmente estranho que os astrônomos atualmente falem tanto em aparatos termonucleares para afastar meteoros da Terra, para em seguida, covardemente, mentirem que tudo está sob controle, como se não corrêssemos nenhum risco. Como orientou Jesus, oremos e vigiemos, pois.

O PROCESSO DA TERRA

(Vivemos uma breve realidade alternativa)

Com relação ao processo que passamos atualmente, dizemos que os seres humanos vivem hoje uma situação de acomodação, pois entregaram a sua vontade para que fosse manipulada por outros em vez de exercerem a sua própria vontade. Isto porque quando usamos a vontade, adquirimos compromisso, responsabilidade, e muitos tentaram fugir às responsabilidades, aos compromissos. No caso da Terra, muitos aguardavam a transformação, queriam a transformação, mas muitos que queriam às vezes também não a queriam, porque achavam que devia haver mais um tempo para consolidar o conhecimento, ou por outras injunções que criaram no sentido de não cumprirem os compromissos assumidos. Também houve outro aspecto que pesou na consciência de muitos que foi não quererem entregar-se realmente ao processo, e deixaram-se levar pelos comentários reinantes de que os conhecimentos que recebíamos e passávamos eram conhecimento de fanáticos, de lunáticos.

Todos aqueles que previram, que profetizaram, que pregaram tornaram-se fanáticos ou mesmo loucos aos olhos daqueles que não acreditavam, mas que ouviam, e de alguma forma até acreditavam que iria ocorrer alguma coisa, mas que para eles era melhor que não ocorresse. Essa situação também era e é sustentada por energias que querem continuar existindo, que querem que tudo isso continue como está, pois se alimentam das emanações mentais caóticas geradas pelos habitantes do nosso orbe, e sabem que quando ocorrer a purificação da Terra, e tais emanações não mais existirem, será o final de sua existência aqui, e terão que buscar outra realidade para continuar existindo, para continuar sobrevivendo. De tudo isso resultou que a maioria da população mundial, cerca de 60%, não queria que as transformações viessem, que houvesse a purificação, e foi esse estado de espírito do homem terreno que criou uma CONSCIÊNCIA, e uma consciência que se cria no mundo físico mantém realidades físicas, que não deixam a CONSCIÊNCIA passar para outra dimensão.

De acordo com as mais diferentes profecias, estava previsto nesse processo que muitos eventos telúricos se verificariam na superfície do planeta, mas a vontade de muitos [da maioria] era de que nada disso ocorresse. Previra-se um eclipse solar com a passagem de um planeta (Astro Intruso, Dóton, etc.) e na mesma ocasião era também esperado um período de três dias de escuridão como parte do processo de purificação; depois viria um período de grandes cataclismos, como terremotos, maremotos, erupções vulcânicas, etc. e a volta do astro intruso, a parada junto ao planeta, a verticalização do eixo da Terra, com todas as suas conseqüências, e finalmente a passagem da Terra pelo Cinturão de Fótons e pelos portões dimensionais, e estaria concluído o processo de mudança planetária, de mudança de ciclo evolutivo, de mudança dimensional.

Mas "felizmente" tudo isso, aos olhos da humanidade, não ocorreu, e quando chegou o final do ano, que muitos chegaram a noticiar seria o final de século/milênio (até programações especiais já tinham sido marcadas para "comemorar" a entrada do "novo" século/milênio), foi um alívio para todos, pois, conforme declarou aquela locutora de televisão, por ocasião do eclipse (ocasião em que a própria mídia se encarregou de disseminar a notícia de que o mundo iria acabar): "Como viram, o mundo não acabou!".

Outros comentaram: "Vai acabar o ano e vai entrar o outro e nada vai acontecer, porque a humanidade já está caminhando em outra direção"; "As coisas já começam a se acertar". Mas a maior pérola que surgiu nesses últimos tempos foi que "tudo que tinha que acontecer em matéria de catástrofes, já aconteceu. Muitas das profecias não se cumpriram, outras não serão cumpridas. Agora é só esperar que as coisas se acomodem, porque já passamos por tudo que tínhamos de passar." E perguntamos: como? As profecias não se cumpriram, nem se cumprirão? Onde está escrito que profecias são meras previsões, que podem ou não acontecer? Conforme declara o Mentor Ramatis em suas Mensagens do Astral: "As profecias são baseadas em fatos que já estão previstos e determinados infalivelmente, e os profetas não criam acontecimentos sob a sua imaginação, num determinismo todo pessoal; eles apenas os prevêem na sua rota infalível e nos seus objetivos implacáveis. A função dos profetas tem sido apenas a de noticiar o que há de suceder, sem intervenção de idéias próprias."

Afinal, o que ocorreu, uma vez que não houve destruição física?; se estamos ainda no planeta? Ora, como dissemos linhas atrás, toda realidade é criada a nível mental, é a própria consciência, e aquela realidade criada no mundo físico pela vontade da maioria de que nada acontecesse, criou no mundo físico realidades físicas, que não deixaram a CONSCIÊNCIA passar para outra dimensão, e o que hoje existe aqui é uma realidade criada pelo mental humano, pelo mental da maioria da nossa humanidade, e que, apesar de não ser real, é plasmada e pode ser palpável.

Todas as criações são mentais, todo o universo é uma criação mental, ele se materializa quando se plasma, e o que dá a forma física é o ectoplasma. Por ser essa uma criação mental, estamos num planeta que não mais existe, mas se estamos aqui, automaticamente também criamos este plano, de modo que estamos vivendo uma breve realidade alternativa, o que quer dizer que tudo que está ao nosso redor não devia mais estar, aliás, nós mesmos não devíamos estar aqui.

Esse desvio foi sustentado pela vontade de muitos de manter as coisas como estavam. Porém foi com a permissão das Hierarquias cósmicas que tudo está sendo mantido, com o propósito de dar mais alguns instantes para que todos se preparem. Esse pequeno tempo extra pode ser comparado com o tempo que se leva para "respirar fundo e mergulhar". É isso: o tempo a mais que a humanidade obteve é apenas o suficiente para "respirar fundo e mergulhar", nada mais do que isso.

Todos concentraram as expectativas para 1999, mas os engenheiros siderais, conforme explica Ramatis, já previram tudo isso com antecipação de sextilhões de anos. Eles simplesmente planejaram tudo, de modo que até esse adiamento na verdade já estava previsto, e a Transição, exatamente da maneira como está ocorrendo agora, foi planejada dessa forma, não houve mudanças de última hora como muitos poderiam supor. O que significa que esse período "adicional" servirá apenas para que todos se acalmem, respirem fundo e preparem-se para mergulhar, pois tudo leva a crer que estamos sendo preparados pelo plano espiritual para os momentos derradeiros. Esse será o verdadeiro teste: a Transição virá quando ninguém estiver esperando por ela, por isso Jesus falou que "o dia do Senhor virá como um ladrão na noite".

Esse é o verdadeiro teste final: quantos estariam vigilantes quando tudo acontecesse? É muito fácil quando todo mundo espera por algo (como foi o caso de 1999), mas agora que praticamente ninguém acredita mais - vai ser o verdadeiro teste. A mente coletiva é muito sensacionalista, bastou que em 1999 não acontecesse nada e muitos deixaram de lado o preparo interior, pondo em dúvida a legitimidade dos eventos. Esperemos para ver, tudo leva a crer que acabou a brincadeira. Desta vez será para valer, não haverá mais "recursos" e iremos precisar pôr em prática todo o nosso preparo interno. Portanto, aguardem parcimoniosamente e vivam com muito amor esses momentos que ainda restam. Nada de tensão, ansiedade sobre o momento em que vai ser, como vai ser. No momento certo cada um passará para o estágio para o qual estiver preparado. O importante é que vivam segundo as energias emanadas do Pai e cada vez mais se identifiquem menos com os problemas materiais, com o mundo tridimensional. Procurem superar os momentos finais de maneira tranqüila e harmoniosa, agindo com o firme desejo de que todos os problemas serão transmutados. Desprendam-se de maneira definitiva dos valores materiais e os problemas vão se desfazendo, as coisas irão se determinando por elas mesmas. O importante é não se angustiarem mais, não se diluírem mais dentro desse emaranhado de situações ora vigentes.

Estejam atentos a tudo que pode acontecer de agora em diante, para que não percam de vista a conscientização que irão formando a cada passo. Todo caminho é esse. As dificuldades, os muros, as barreiras, as criações mentais, nós a criamos por não termos o controle da nossa vontade, de modo que constantemente estamos criando realidades físicas, não realidades espirituais. Precisamos reverter essa situação, e passarmos de agora em diante a não mais cristalizar situações passivas, mas sim realidades espirituais, saber o que somos, de onde viemos e qual o verdadeiro sentido de nossa existência aqui, descobrir os nossos potenciais, nos conhecendo internamente, sabendo que não somos apenas esse Ser físico que conhecemos quando estamos aqui encerrado numa vestimenta física, mas sobretudo um Ser espiritual, um Ser de Luz, um Ser divino e, conseqüentemente, um canal para que essa divindade se manifeste neste plano.

Agora que tomamos consciência disso, vamos fazer a vontade do Pai, sermos um canal para que a vontade dele se estabeleça aqui. Que não se prenda a consciência em outra dimensão, em outra densidade, elevemos nossa consciência ao Pai e Ele vai determinar onde nos encontramos e vamos descobrir verdadeiramente onde estamos.

A TRANSIÇÃO DA TERRA
Publicado no Informativo do GER nº44

Como já tivemos oportunidade de afirmar em diversas ocasiões, a transição planetária é a mudança de ciclo evolutivo de um corpo celeste, é o balanço de fim de era, é o chamado juízo final, é a ocasião em que as pessoas se autoavaliam e escolhem para onde querem ir. No caso da Terra, estamos vivendo os momentos finais de um processo que teve início no primeiro dia do mês de janeiro de 1950 e que caminha para o seu desfecho final no decorrer do próximo século/milênio. Para que as pessoas possam ter uma idéia global de todo o processo, e para que não fiquem pensando que tudo não passa de castigo divino, dizemos que todos os mundos tem os seus ciclos evolutivos, e ao término de cada ciclo há um balanço em que se avaliam as condições sob o aspecto físico-espiritual do planeta e de seus habitantes. Segundo Trigueirinho, "a transição da Terra é a fase de preparação mais intensa de uma nova humanidade e uma nova Terra. Do ponto de vista externo, a transição planetária teve início em 8.8.88, data em que se intensificou o processo de transformação planetário e solar.

A transição da Terra vem sendo preparada há milênios, o que se fez notar sobretudo nos últimos tempos. Caracteriza-se pela purificação de sua superfície em âmbito global e pelo resgate dos seres que se capacitaram para trilhar caminhos evolutivos segundo as leis que passarão a reger a existência no ciclo vindouro. É período em que se fazem mudanças profundas, entre as quais se destacam: a sutilização da vida planetária, a reestruturação dos níveis de consciência, o juízo em todos os reinos da Natureza, a mudança da inclinação do eixo da Terra, a reconfiguração dos continentes e mares, o implante de novo código genético na parcela da humanidade que prosseguirá na Terra ou em mundos mais evoluídos, o relacionamento aberto do ser humano da superfície terrestre com civilizações intraterrenas e extraterrestres evoluídas e a maior integração do planeta na vida solar e cósmica. Corresponde também a importante avanço no processo iniciático do Logos Planetário. Essa transição permitirá a superação dos aspectos materiais da lei do karma como regentes da evolução. São os atuais conflitos e desarmonias que proporcionam, em parte, o ajuste de débitos kármicos necessário para essas mudanças. A Transição constitui-se basicamente de duas etapas. Na primeira, a lei da purificação é aplicada em âmbito planetário, grupal e individual e os seres que não devem sucumbir ao caos são resgatados.

O confronto final entre as diversas falanges das forças do caos redundará em vasta destruição externa. Na segunda etapa, a superfície da Terra é reordenada e alguns dos seres resgatáveis transladados na primeira fase retornam para a reconstrução do mundo de superfície e a fundação da nova civilização. A transição da Terra como um todo é conduzida por Inteligências e seres intergalácticos, energias suprafísicas e entidades intraterrenas que representam leis imateriais. Paralelamente a esse movimento liberador que visa à redenção da vida terrestre, há outro, obscuro, organizado pelo poder material da presente civilização. Este tem por objetivo exterminar grande parte da população da superfície pelo incentivo à guerra e ao uso de drogas, pela fome, pelas enfermidades e pela miséria, aumentadas com a permissividade do chamado poder judiciário e com a omissão dos governos. Por meio da dominação econômica e da corrupção dos políticos, os representantes desse movimento (empresas multinacionais, nas quais se incluem certas organizações religiosas) planejam apoderar-se das regiões menos contaminadas de radiações nucleares e epidemias, regiões que ainda possuam recursos naturais mínimos, tais como água potável e área cultivável, e manter a população nativa em condição servil ou de apatia e não-reação.

Todavia, apesar dessas aparências, nos níveis internos da existência está assegurada a continuidade da Terra em condições de harmonia e integrada na ordem cósmica. O comportamento da humanidade na atual transição pode conduzir o transcurso de certos fatos dolorosos, mas não alterar a consumação de um processo redentor já determinado com elementos extraplanetários que transcendem as forças obscuras. Aos indivíduos despertos cabe aperfeiçoar a sintonia com as leis evolutivas superiores e com a Hierarquia espiritual e efetivamente servir, sabendo que o verdadeiro governo da Terra é invisível, interior, conhecedor dos ciclos e tudo dirige para o Bem."